Remuneração Executiva e Geração de Valor

Por que devemos estudar a remuneração dos executivos brasileiros?

Dos diversos aspectos que constituem o modelo de governança das grandes empresas, a remuneração dos executivos tem recebido atenção especial. As demandas por mais transparência e controle são cada vez maiores no mundo corporativo, pois esses aspectos estão diretamente relacionados à confiança dos mercados e dos investidores.

Os critérios e as políticas dos sistemas de remuneração influenciam o desempenho e o comportamento da organização, sendo assim um importante foco de atenção e ação dos gestores e líderes empresariais na condução dos negócios.O avanço das empresas na implementação de modelos de governança corporativa mais consistentes tem trazido consequências positivas para as políticas e práticas de remuneração, mas ainda há muito a ser conquistado.

Para estudar os modelos de remuneração executiva e sua relação com a geração de resultados em empresas de capital aberto no Brasil, reunimos uma equipe de consultores da PwC e de pesquisadores do Instituto de Finanças da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV/EAESP), que analisaram informações publicadas em demonstrações financeiras e relatórios de gestão de 2010 a 2013 de uma amostra de 62 empresas listadas no Novo Mercado da Bovespa.

Os resultados do estudo – coordenado por João Lins, sócio e líder de Consultoria em Capital Humano da PwC, e Oscar Malvessi, professor doutor do Departamento de Finanças da FGV/EAESP e coordenador do Núcleo de Value Based Management do Instituto de Finanças da mesma instituição – apresentam importantes ideias para vincular a remuneração executiva ao processo de geração de valor, e também para aprimorar as práticas de governança corporativa.